Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

desafioecologico

“Quando o último rio secar, a última árvore for cortada e o último peixe pescado, eles vão entender que o dinheiro não se come”. Chefe Índio - Seattle - 1855

desafioecologico

“Quando o último rio secar, a última árvore for cortada e o último peixe pescado, eles vão entender que o dinheiro não se come”. Chefe Índio - Seattle - 1855

22-06-2014 192.jpg

Vou hoje falar de um modelo belo e motivador. O seu nome e o seu exemplo podem servir de guia e inspiração, para os problemas ecológicos que enfrentamos. Francisco de Assis é o exemplo por excelência do cuidado pelo que é frágil e por uma ecologia integral, vivida com alegria e autenticidade. É o santo padroeiro de todos os que estudam e trabalham no campo da ecologia, amado também por muitos que não são cristãos. Manifestou uma atenção particular pela criação de Deus( isto para os crentes) e pelos mais pobres e abandonados. Amava e era amado pela sua alegria, a sua dedicação generosa, o seu coração universal. Era um místico e um peregrino que vivia com simplicidade e numa maravilhosa harmonia com Deus, com os outros, com a natureza e consigo mesmo. Nele se nota até que ponto são inseparáveis a preocupação pela natureza, a justiça para com os pobres, o empenhamento na sociedade e a paz interior.

O seu testemunho mostra-nos também que uma ecologia integral requer abertura para categorias
que transcendem a linguagem das ciências exactas ou da biologia e nos põem em contacto com a
essência do ser humano. Tal como acontece a uma pessoa quando se enamora por outra, a reacção
de Francisco, sempre que olhava o sol, a lua ou os minúsculos animais, era cantar, envolvendo no
seu louvor todas as outras criaturas. Entrava em comunicação com toda a criação, chegando mesmo
a pregar às flores «convidando-as a louvar o Senhor, como se gozassem do dom da razão». A sua
reacção ultrapassava de longe uma mera avaliação intelectual ou um cálculo económico, porque,
para ele, qualquer criatura era uma irmã, unida a ele por laços de carinho. Por isso, sentia-se
chamado a cuidar de tudo o que existe. São Boaventura, seu discípulo, contava que ele, «enchendo-se da maior ternura ao considerar a origem comum de todas as coisas, dava a todas as criaturas –
por mais desprezíveis que parecessem – o doce nome de irmãos e irmãs». Esta convicção não pode
ser desvalorizada como romantismo irracional, pois influi nas opções que determinam o nosso
comportamento. Se nos aproximarmos da natureza e do meio ambiente sem esta abertura para a
admiração e o encanto, se deixarmos de falar a língua da fraternidade e da beleza na nossa relação
com o mundo, então as nossas atitudes serão as do dominador, do consumidor ou de um mero
explorador dos recursos naturais, incapaz de pôr um limite aos seus interesses imediatos. Pelo
contrário, se nos sentirmos intimamente unidos a tudo o que existe, então brotarão de modo
espontâneo a sobriedade e a solicitude. A pobreza e a austeridade de São Francisco não eram
simplesmente um ascetismo exterior, mas algo de mais radical: uma renúncia a fazer da realidade
um mero objecto de uso e domínio. Por outro lado, São Francisco, fiel à Sagrada Escritura, propõe-nos reconhecer a natureza como um livro esplêndido onde Deus ( para os que acreditam n`Ele ou o Mistério ou ainda a própria natureza só por si, para os não crentes) nos fala e transmite algo da sua beleza e bondade: «Na grandeza e na beleza das criaturas, contempla-se, por analogia, o seu Criador»  e «o que é invisível n’Ele – o seu eterno poder e divindade – tornou-se visível à inteligência, desde a criação do mundo,  nas suas obras». Por isso, Francisco pedia que, no convento, se deixasse sempre uma parte do horto por cultivar para aí crescerem as ervas silvestres, a fim de que, quem as admirasse, pudesse elevar o seu pensamento a Deus, autor de tanta beleza. O mundo é algo mais do que um problema a resolver; é um mistério gozoso que contemplamos na alegria e no louvor, mas que infelizmente nos esquecemos de respeitar. É claro que não vamos agora ser todos místicos ou eremitas, vivemos numa sociedade que nos monopoliza, contudo  podemos e devemos despertar para estes exemplos de respeito pela natureza. Se todos fizermos um pouco diariamente, de certeza que teremos um mundo melhor.

Nota - o itálico é meu.

Créditos - encíclica Laudato si de Papa Francisco

4 comentários

Comentar post